Parágrafo 2264

2264.O amor para consigo mesmo permanece um princípio fundamental de moralidade. E, portanto, legítimo fazer respeitar o seu próprio direito à vida. Quem defende a sua vida não é réu de homicídio, mesmo que se veja constrangido a desferir sobre o agressor um golpe mortal:

«Se, para nos defendermos, usarmos duma violência maior do que a necessária, isso será ilícito. Mas se repelirmos a violência com moderação, isso será lícito […]. E não é necessário à salvação que se deixe de praticar tal acto de defesa moderada para evitar a morte do outro: porque se está mais obrigado a velar pela própria vida do que pela alheia» (41).



Aprofunde seus conhecimentos

181. Porque é que o ministério eclesial tem um carácter pessoal?

47. Quem é o Espírito Santo que Jesus Cristo nos revelou?

314. Que sentido tem a compaixão de Jesus pelos doentes?

169. Qual a relação da Igreja católica com o povo judeu?

369. Há actos que são sempre ilícitos?

414. Como se manifesta a solidariedade humana?

554. Em que consiste a intercessão?


Acesse nossos estudos biblicos:

Qual a importância da fidelidade a Deus, segundo o livro de Tobias?

O que é o Julgamento Final de acordo com Joel 3:14-16?

Qual é o papel do povo de Deus na promoção da justiça social, de acordo com Amós 5:24?

Como o Rei Asa restaurou a adoração verdadeira e venceu a guerra contra Etiópia em 1 Reis 15:9-24?

Qual é o significado do cântico de Davi em gratidão a Deus?

O que a Bíblia diz sobre a verdadeira fonte de consolo em tempos de aflição?

A queda da humanidade: Como a desobediência de Adão e Eva afetou o mundo? (Gênesis 3:1-24)


Livraria Católica