Evangelho do dia – domingo, 25 de fevereiro de 2024 – Marcos 9,2-10 – Bíblia Católica

Primeira Leitura (Gn 22,1-2.9a.10-13.15-18)

Leitura do Livro do Gênesis:

Naqueles dias, Deus pôs Abraão à prova. Chamando-o, disse: “Abraão!” E ele respondeu: “Aqui estou”. E Deus disse: “Toma teu filho único, Isaac, a quem tanto amas, dirige-te à terra de Moriá e oferece-o aí em holocausto sobre um monte que eu te indicar”. Chegados ao lugar indicado por Deus, Abraão ergueu um altar, colocou a lenha em cima, amarrou o filho e o pôs sobre a lenha em cima do altar. Depois, estendeu a mão, empunhando a faca para sacrificar o filho. E eis que o anjo do Senhor gritou do céu, dizendo: “Abraão! Abraão!” Ele respondeu: “Aqui estou”. E o anjo lhe disse: “Não estendas a mão contra teu filho e não lhe faças nenhum mal! Agora sei que temes a Deus, pois não me recusaste teu filho único”. Abraão, erguendo os olhos, viu um carneiro preso num espinheiro pelos chifres; foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto no lugar do seu filho.

O anjo do Senhor chamou Abraão, pela segunda vez, do céu, e lhe disse: “Juro por mim mesmo – oráculo do Senhor –, uma vez que agiste deste modo e não me recusaste teu filho único, eu te abençoarei e tornarei tão numerosa tua descendência como as estrelas do céu e como as areias da praia do mar. Teus descendentes conquistarão as cidades dos inimigos. Por tua descendência serão abençoadas todas as nações da terra, porque me obedeceste”.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Segunda Leitura (Rm 8,31b-34)

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos:

Irmãos: Se Deus é por nós, quem será contra nós? Deus, que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos daria tudo junto com ele?

Quem acusará os escolhidos de Deus? Deus, que os declara justos? Quem condenará? Jesus Cristo, que morreu, mais ainda, que ressuscitou, e está à direita de Deus, intercedendo por nós?

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Anúncio do Evangelho (Mc 9,2-10)

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos.

— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos a um lugar à parte sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles. Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar. Apareceram-lhe Elias e Moisés, e estavam conversando com Jesus. Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com muito medo. Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!” E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles. Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos. Eles observaram essa ordem, mas comentavam entre si o que queria dizer “ressuscitar dos mortos”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Refletindo a Palavra de Deus

Queridos irmãos e irmãs em Cristo,

Hoje, reúno-me com vocês neste sagrado lugar para compartilhar uma mensagem de esperança, amor e transformação. Nossas vidas são cheias de experiências diárias, momentos de alegria, tristeza, desafios e triunfos. É nestes momentos que buscamos significado e orientação, e é exatamente isso que as leituras de hoje nos oferecem.

Imaginem-se, por um momento, em uma jornada desafiadora pelas montanhas. O sol está alto no céu, iluminando o caminho à frente. Você carrega consigo uma carga pesada, uma responsabilidade que parece quase insuportável. Mas você continua, porque sabe que é necessário. Você está seguindo os passos de Abraão, o pai da fé, que também enfrentou uma jornada desafiadora.

Na Primeira Leitura de hoje, do Livro de Gênesis, somos apresentados ao teste supremo de Abraão. Deus pede a ele que sacrifique seu filho Isaac. Imagine o peso dessa demanda. Abraão poderia ter questionado, resistido ou até mesmo se recusado. No entanto, ele escolheu confiar em Deus e seguir adiante. Essa é uma lição poderosa para todos nós: confiar em Deus, mesmo quando a jornada parece impossível.

Agora, vamos avançar para a Segunda Leitura, onde São Paulo nos lembra do amor incondicional de Deus por nós. Ele pergunta: “Se Deus está por nós, quem estará contra nós?” Essas palavras ressoam em nossos corações hoje, pois enfrentamos desafios e adversidades em nossas vidas. Talvez nos sintamos desencorajados ou oprimidos pelas circunstâncias. No entanto, a mensagem de São Paulo é clara: com Deus ao nosso lado, não há nada que possa nos separar de Seu amor.

Agora, chegamos ao Evangelho de Marcos, onde somos transportados para o topo de uma montanha, junto com Jesus e três de Seus discípulos. Enquanto estão lá, Jesus é transfigurado diante deles, brilhando com uma luz divina. Pedro, Tiago e João ficam maravilhados e com medo. Eles testemunham a presença de Moisés e Elias, representando a Lei e os Profetas.

Essa experiência transcendental nos lembra da importância de buscar momentos de transfiguração em nossas próprias vidas. Embora possamos não ver uma visão literal de Jesus brilhando diante de nós, podemos buscar momentos de conexão profunda com Ele por meio da oração, meditação e reflexão. Esses momentos de transfiguração nos lembram de nossa verdadeira identidade como filhos e filhas de Deus e nos fortalecem para enfrentar os desafios da vida.

Agora, gostaria de compartilhar uma história que ilustra a mensagem central dessas leituras. Havia uma mulher chamada Maria, que enfrentava uma doença grave. Ela passou por tratamentos dolorosos e momentos de incerteza, mas manteve sua fé inabalável. Em um de seus momentos mais difíceis, ela leu as palavras de São Paulo: “Se Deus está por nós, quem estará contra nós?” Essas palavras tocaram seu coração e lhe deram forças para continuar lutando.

Maria encontrou um refúgio em sua fé, assim como Abraão no topo da montanha e os discípulos na presença transfigurada de Jesus. Ela encontrou momentos de transfiguração em sua própria vida, quando sentiu a presença amorosa de Deus a envolvendo e dando-lhe esperança. Esses momentos a capacitaram a enfrentar os desafios com coragem e confiança.

Queridos irmãos e irmãs, como podemos aplicar essas lições em nossas próprias vidas? Como podemos encontrar momentos de transfiguração e fortalecer nossa fé diante dos desafios que enfrentamos? Permitam-me oferecer algumas orientações práticas.

Em primeiro lugar, reservem um tempo diário para a oração e a meditação. Encontrem um lugar tranquilo onde possam se conectar com Deus e ouvir Sua voz. Isso pode ser tão simples como alguns minutos de silêncio pela manhã ou à noite antes de dormir.Fechem os olhos e respirem profundamente. Imaginem-se no topo de uma montanha, diante de Jesus transfigurado. Sintam a presença Dele e permitam que Sua luz brilhe em seus corações.

Em segundo lugar, cultivem a confiança em Deus em todas as circunstâncias. Lembrem-se das palavras de Abraão, que confiou em Deus mesmo diante de um teste difícil. Quando enfrentarem desafios, lembrem-se de que Deus está ao seu lado e que nada pode separá-los de Seu amor.

Em terceiro lugar, busquem a comunhão com os outros. Assim como Pedro, Tiago e João testemunharam a transfiguração juntos, também nós precisamos de comunidade. Encontrem pessoas de fé com quem possam compartilhar suas jornadas espirituais, orar juntos e apoiar uns aos outros nos momentos difíceis.

Por fim, lembrem-se de que a vida é uma jornada. Assim como Abraão teve que subir a montanha antes de receber a promessa de Deus, também nós enfrentaremos desafios em nosso caminho. Mas, assim como Abraão recebeu a promessa de descendência numerosa, também somos chamados a confiar nas promessas de Deus para nós e a caminhar com fé, sabendo que Ele tem um propósito maior para nossas vidas.

Queridos irmãos e irmãs, hoje fomos convidados a subir a montanha com Abraão, a testemunhar a transfiguração de Jesus e a ouvir as palavras de São Paulo. Que essas passagens bíblicas se tornem vivas em nossas vidas, que possamos encontrar momentos de transfiguração e fortalecer nossa fé diante dos desafios que enfrentamos.

Que possamos confiar em Deus em todas as circunstâncias e buscar a comunhão com outros fiéis. E que, ao fazer isso, possamos experimentar a graça, o amor e a esperança divinos em nossas vidas diárias.

Que Deus, em Sua infinita misericórdia, nos conceda a graça de viver de acordo com esses ensinamentos e que possamos ser instrumentos de Sua paz e amor neste mundo. Que assim seja.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.