Evangelho do dia – domingo, 9 de junho de 2024 – Marcos 3,20-35 – Bíblia Católica

Primeira Leitura (Gênesis 3,9-15)

Leitura do Livro do Gênesis.

Depois que o homem comeu da fruta da árvore, o Senhor Deus chamou Adão, dizendo: “Onde estás?” E ele respondeu: “Ouvi tua voz no jardim, e fiquei com medo, porque estava nu; e me escondi”. Disse-lhe o Senhor Deus: “E quem te disse que estavas nu? Então comeste da árvore, de cujo fruto te proibi comer?” Adão disse: “A mulher que tu me deste por companheira, foi ela que me deu do fruto da árvore, e eu comi”. Disse o Senhor Deus à mulher: “Por que fizeste isso?” E a mulher respondeu: “A serpente enganou-me e eu comi”. Então o Senhor Deus disse à serpente: “Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais domésticos e todos os animais selvagens! Rastejarás sobre o ventre e comerás pó todos os dias da tua vida! Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.



Segunda Leitura (2Coríntios 4,13-18.5,1)

Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios.

Irmãos: Sustentados pelo mesmo espírito de fé, conforme o que está escrito: “Eu creio e, por isso, falei”, nós também cremos e, por isso, falamos, certos de que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também com Jesus e nos colocará ao seu lado, juntamente convosco. E tudo isso é por causa de vós, para que a abundância da graça em um número maior de pessoas faça crescer a ação de graças para a glória de Deus.

Por isso, não desanimamos. Mesmo se o nosso homem exterior se vai arruinando, o nosso homem interior, pelo contrário, vai-se renovando, dia a dia. Com efeito, o volume insignificante de uma tribulação momentânea acarreta para nós uma glória eterna e incomensurável. E isso acontece, porque voltamos os nossos olhares para as coisas invisíveis e não para as coisas visíveis. Pois o que é visível é passageiro, mas o que é invisível é eterno. 5,De fato, sabemos que, se a tenda em que moramos neste mundo for destruída, Deus nos dá uma outra moradia no céu que não é obra de mãos humanas, mas que é eterna.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

Evangelho (Marcos 3,20-35)

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus voltou para casa com os seus discípulos. E de novo se reuniu tanta gente que eles nem sequer podiam comer. Quando souberam disso, os parentes de Jesus saíram para agarrá-lo, porque diziam que estava fora de si.

Os mestres da Lei, que tinham vindo de Jerusalém, diziam que ele estava possuído por Belzebu, e que pelo príncipe dos demônios ele expulsava os demônios. Então Jesus os chamou e falou-lhes em parábolas: “Como é que Satanás pode expulsar a Satanás? Se um reino se divide contra si mesmo, ele não poderá manter-se. Se uma família se divide contra si mesma, ela não poderá manter-se. Assim, se Satanás se levanta contra si mesmo e se divide, não poderá sobreviver, mas será destruído. Ninguém pode entrar na casa de um homem forte para roubar seus bens, sem antes o amarrar. Só depois poderá saquear sua casa.

Em verdade vos digo: tudo será perdoado aos homens, tanto os pecados, como qualquer blasfêmia que tiverem dito. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo, nunca será perdoado, mas será culpado de um pecado eterno”. Jesus falou isso, porque diziam: “Ele está possuído por um espírito mau”.

Nisso chegaram sua mãe e seus irmãos. Eles ficaram do lado de fora e mandaram chamá-lo. Havia uma multidão sentada ao redor dele.
Então lhe disseram: “Tua mãe e teus irmãos estão lá fora à tua procura”. Ele respondeu: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 34
E olhando para os que estavam sentados ao seu redor, disse: “Aqui estão minha mãe e meus irmãos. Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.



Refletindo a Palavra de Deus

Meus irmãos e irmãs em Cristo, hoje nos reunimos para refletir sobre as leituras que a liturgia nos apresenta. Cada uma delas traz uma mensagem profunda e significativa, que, quando entrelaçadas, nos convidam a uma maior compreensão da nossa fé e do nosso papel como seguidores de Cristo.

Na primeira leitura, do livro de Gênesis, encontramos o relato do primeiro pecado humano. Após comerem do fruto proibido, Adão e Eva se escondem de Deus. “Onde estás?” pergunta o Senhor Deus a Adão. Essa pergunta ressoa através dos tempos, ecoando em nossos corações. “Onde estamos?” Onde estamos em nossa caminhada com Deus? Onde estamos em nossa fidelidade aos Seus mandamentos?

Adão responde: “Ouvi o barulho dos teus passos no jardim; tive medo porque estava nu, e me escondi.” O medo e a vergonha entram no mundo junto com o pecado. Essa passagem nos lembra que, muitas vezes, tentamos nos esconder de Deus por causa de nossos erros e falhas. No entanto, Deus, em Sua misericórdia, nos procura, não para nos condenar, mas para nos restaurar. Ele quer que reconheçamos nossos pecados, que saiamos de nossos esconderijos e voltemos para Ele.

Essa narrativa também nos fala sobre as consequências do pecado. A serpente, que enganou Eva, é amaldiçoada por Deus, e uma inimizade é colocada entre a serpente e a mulher, e entre a descendência dela e a da serpente. Essa inimizade é um prenúncio da batalha espiritual que cada um de nós enfrenta diariamente. É uma luta contra as tentações, contra as forças do mal que tentam nos afastar de Deus.

Passando para a segunda leitura, da segunda carta de São Paulo aos Coríntios, encontramos uma mensagem de esperança e perseverança. Paulo fala sobre o espírito de fé que nos leva a proclamar a verdade, mesmo em meio às dificuldades. “Sabemos que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também com Jesus e nos colocará ao seu lado, junto com vocês.”

Paulo nos lembra que, embora nossos corpos possam estar perecendo, nosso interior está sendo renovado dia a dia. As dificuldades e tribulações que enfrentamos são leves e momentâneas, preparando-nos para uma glória eterna que supera toda comparação. Ele nos convida a não focarmos no que é visível e transitório, mas no que é invisível e eterno.

Essa passagem é particularmente poderosa porque nos encoraja a manter a fé, mesmo quando enfrentamos adversidades. Em um mundo onde o sofrimento é inevitável, onde as dificuldades muitas vezes parecem esmagadoras, Paulo nos chama a olhar além do visível, a enxergar com os olhos da fé a promessa de vida eterna em Cristo.

No evangelho de Marcos, vemos Jesus enfrentando a incompreensão e a rejeição, até mesmo por parte de Sua própria família. Jesus estava ensinando, e uma multidão estava ao Seu redor. Seus familiares, ao saber disso, saíram para prendê-Lo, pois diziam: “Ele está fora de si.” Os escribas, por sua vez, afirmavam: “Ele está possuído por Belzebu” e “É pelo príncipe dos demônios que Ele expulsa os demônios.”

Jesus responde com uma parábola: “Como pode Satanás expulsar Satanás? Se um reino estiver dividido contra si mesmo, tal reino não pode subsistir.” Ele deixa claro que Sua obra é a obra de Deus, não de Satanás. Ele veio para destruir as obras do diabo, para libertar os cativos, para trazer a salvação.

Essa passagem nos desafia a refletir sobre como vemos a obra de Deus em nossas vidas e no mundo. Às vezes, podemos ser rápidos em julgar ou duvidar, assim como os familiares de Jesus e os escribas fizeram. Precisamos ter a coragem de reconhecer a obra de Deus, mesmo quando ela desafia nossas expectativas e compreensões.

Jesus então faz uma declaração profunda sobre quem é Sua verdadeira família: “Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe.” Aqui, Jesus redefine o conceito de família, não mais limitado aos laços de sangue, mas ampliado para incluir todos aqueles que fazem a vontade de Deus.

Essa redefinição nos convida a refletir sobre nossa própria identidade e comunidade. Somos chamados a ser parte da família de Deus, não por mérito, mas pela graça e pela obediência à vontade divina. Essa família espiritual transcende todas as barreiras humanas – culturais, sociais e até mesmo religiosas.

Vamos agora refletir sobre como essas leituras se aplicam às nossas vidas. A história de Adão e Eva nos lembra da nossa vulnerabilidade ao pecado e da necessidade constante de voltar a Deus em arrependimento. Somos desafiados a sair de nossos esconderijos de vergonha e medo e a responder ao chamado amoroso de Deus.

A mensagem de Paulo aos Coríntios nos encoraja a perseverar na fé, mesmo diante das dificuldades. Devemos manter nossos olhos fixos na glória eterna prometida por Deus, renovando-nos diariamente através da fé e da esperança. Quando enfrentamos tribulações, podemos lembrar que elas são temporárias e que Deus está trabalhando em nós, preparando-nos para algo maior.

Finalmente, o evangelho de Marcos nos convida a reconhecer e acolher a obra de Deus em nossas vidas e no mundo ao nosso redor. Precisamos estar abertos à vontade de Deus, mesmo quando ela desafia nossas expectativas. E somos chamados a ser parte da família de Jesus, vivendo em comunhão com todos aqueles que buscam fazer a vontade de Deus.

Ao refletir sobre essas leituras, somos chamados a uma ação prática. Em primeiro lugar, vamos nos comprometer a um exame diário de consciência, reconhecendo nossos pecados e buscando a reconciliação com Deus. Que possamos sair de nossos esconderijos de medo e vergonha e encontrar a paz e a renovação no amor de Deus.

Em segundo lugar, vamos cultivar uma fé resiliente, que nos permita ver além das dificuldades temporárias e focar na promessa eterna de Deus. Que possamos encontrar força na oração, na leitura das Escrituras e na comunidade de fé.

Por fim, vamos nos esforçar para fazer a vontade de Deus em nossas vidas diárias. Isso pode significar estender a mão a alguém em necessidade, defender a justiça, ou simplesmente ser uma presença de amor e compaixão para aqueles ao nosso redor. Que possamos ser verdadeiros membros da família de Jesus, unidos no amor e na obediência ao Pai.

Vamos agora ter um momento de silêncio. Fechemos os olhos e peçamos a Deus a graça de refletir profundamente sobre estas leituras e sobre como Ele nos chama a viver de acordo com Sua vontade. Que o Espírito Santo nos ilumine e nos guie em nossa caminhada de fé.

Senhor, nós Te agradecemos pela Tua palavra que nos desafia e nos consola. Ajuda-nos a viver de acordo com Teus ensinamentos, a reconhecer nossos pecados e a buscar Tua misericórdia. Renova nossa fé e nossa esperança, e faze de nós instrumentos da Tua paz e do Teu amor no mundo. Amém.

Meus irmãos e irmãs, ao sairmos daqui hoje, levemos conosco a determinação de viver como verdadeiros membros da família de Deus. Que possamos responder ao chamado de Deus, perseverar na fé e fazer a Sua vontade em todas as áreas de nossas vidas. Que a graça de Deus nos acompanhe e nos fortaleça em nossa caminhada. Amém.


Livraria Católica