Evangelho do dia – quarta-feira, 17 de julho de 2024 – Mateus 11,25-27 – Bíblia Católica

Primeira Leitura (Isaías 10,5-7.13-16)

Leitura do Livro do Profeta Isaías.

Assim fala o Senhor: “Ai de Assur, vara de minha cólera, bastão em minhas mãos, instrumento de minha indignação! Eu o envio contra uma nação ímpia e ordeno-lhe, contra um povo que me excita à ira, que o submeta à pilhagem e ao saque, que o calque aos pés como lama nas ruas. Mas ele assim não pensava, seu propósito não era esse; pelo contrário, sua intenção era esmagar e exterminar não poucas nações. Pois diz o rei da Assíria: ‘Realizei isso pela força da minha mão e com minha sagacidade, pois tenho experiência; aboli as fronteiras dos povos, saqueei seus tesouros, e derrubei de golpe os ocupantes de altos postos; minha mão empalmou como um ninho a riqueza dos povos; e como se apanha uma ninhada de ovos, assim ajuntei eu os povos da terra, e não houve quem batesse asa ou abrisse o bico e desse um pio’. Mas acaso gloria-se o machado, em detrimento do lenhador que com ele corta? Ou se exalta a serra contra o serrador que a maneja? Como se a vara movesse quem a levanta e um bastão erguesse aquele que não é madeira. Por isso, enviará o Dominador, Senhor dos exércitos, contra aqueles fortes guerreiros o raquitismo; e abalará sua glória com convulsões que queimam como fogo”.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.



Evangelho (Mateus 11,25-27)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.



Refletindo a Palavra de Deus

Meus queridos irmãos e irmãs em Cristo, hoje, ao refletirmos sobre as leituras de Isaías e Mateus, somos convidados a explorar a profundidade do poder e da sabedoria de Deus, assim como o chamado para confiar plenamente em Sua orientação divina. A mensagem dessas passagens é tão relevante para nossas vidas hoje quanto era para aqueles que ouviram essas palavras pela primeira vez.

Na primeira leitura, do livro de Isaías, encontramos uma forte advertência e um lembrete poderoso da soberania de Deus sobre todas as nações e líderes. O profeta Isaías fala do rei da Assíria como o “bastão da ira” de Deus, um instrumento usado para cumprir Sua justiça. Deus diz: “Ai de Assur, bastão da minha ira, a vara em suas mãos é o instrumento do meu furor! Eu o envio contra uma nação ímpia, eu o mando contra o povo que provoca a minha ira.”

Aqui, Deus está mostrando que mesmo os reis e governantes mais poderosos são apenas instrumentos em Suas mãos. Eles não possuem poder independente; tudo o que fazem é permitido ou dirigido por Deus para cumprir Seus propósitos. Isso nos leva a refletir sobre a verdadeira fonte de poder em nossas vidas. Quantas vezes somos tentados a acreditar que nosso sucesso ou posição é fruto apenas de nossos próprios esforços?

Imaginem um grande maestro conduzindo uma orquestra. Cada músico, cada instrumento, está sob sua direção. Eles tocam notas complexas e belas, mas é o maestro que organiza cada som em uma sinfonia harmoniosa. Da mesma forma, Deus é o maestro supremo, conduzindo a história e os eventos do mundo. Ele usa até mesmo aqueles que parecem estar fora de Seu plano para cumprir Seus desígnios.

Isaías também nos alerta sobre o perigo da arrogância. O rei da Assíria se vangloria: “Eu fiz isto com a força do meu braço e com a minha sabedoria, pois sou inteligente.” Ele atribui seu sucesso a si mesmo, esquecendo-se de que é apenas uma ferramenta nas mãos de Deus. Isso nos lembra das palavras de Jesus em Mateus 11, onde Ele louva ao Pai por esconder essas coisas dos sábios e instruídos e revelá-las aos pequeninos.

No Evangelho de Mateus, vemos Jesus fazendo uma oração de agradecimento: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos.” Jesus está nos mostrando que o verdadeiro entendimento e sabedoria vêm da revelação divina, não do conhecimento humano.

Vamos imaginar uma criança pequena aprendendo a caminhar. Ela confia plenamente em seus pais para guiá-la, para segurá-la quando ela tropeça. Da mesma forma, Jesus nos chama a ter uma confiança simples e pura em Deus, como crianças que dependem completamente de seus pais. Ele nos revela que o conhecimento de Deus e Sua vontade não é algo que podemos alcançar por nossa própria inteligência ou esforços, mas algo que é dado a nós através da revelação e da graça divina.

Jesus continua dizendo: “Tudo me foi entregue por meu Pai; e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.” Este é um lembrete poderoso de que nosso relacionamento com Deus é mediado por Jesus. É através de Jesus que conhecemos o Pai e entendemos Sua vontade para nossas vidas. Ele é o revelador dos mistérios divinos e o caminho para a verdadeira sabedoria.

Ao refletirmos sobre essas leituras, somos chamados a abandonar nossa arrogância e a confiar plenamente na sabedoria e no poder de Deus. Em um mundo que valoriza tanto a inteligência e o sucesso pessoal, somos convidados a ser humildes e a reconhecer que toda sabedoria e poder vêm de Deus.

Vamos agora trazer essas reflexões para nossas vidas diárias. Como podemos aplicar essas lições de humildade e confiança em Deus? Primeiro, vamos nos lembrar de agradecer a Deus por todas as bênçãos e sucessos em nossas vidas, reconhecendo que tudo vem Dele. Quando enfrentamos desafios e dificuldades, podemos confiar que Deus está no controle, usando até mesmo as situações difíceis para cumprir Seus propósitos em nossas vidas.

Além disso, podemos buscar a sabedoria divina através da oração e da leitura das Escrituras, pedindo a Deus que nos revele Sua vontade. Em vez de depender apenas de nosso próprio entendimento, vamos pedir a orientação do Espírito Santo em todas as decisões que tomamos.

Vamos agora ter um momento de silêncio para refletir sobre essas verdades. Fechemos os olhos e peçamos a Deus que nos ajude a confiar plenamente Nele, a reconhecer Sua soberania e a buscar Sua sabedoria em todas as áreas de nossas vidas.

Senhor, nós Te agradecemos pelas lições de hoje. Ajuda-nos a viver com humildade, reconhecendo que todo poder e sabedoria vêm de Ti. Dá-nos um coração confiante e dependente de Tua graça, e guia-nos em nossos caminhos. Que possamos sempre buscar Tua vontade e confiar em Tua direção. Amém.

Meus irmãos e irmãs, ao sairmos daqui hoje, levemos conosco a esperança e a determinação de viver como verdadeiros seguidores de Cristo. Que a graça de Deus nos acompanhe e que possamos ser instrumentos de Sua paz e amor no mundo. Lembrem-se, somos chamados a ser luz e sal – vamos brilhar e dar sabor ao mundo com a bondade, a justiça e o amor de Deus. Amém.


Livraria Católica