Evangelho do dia – quarta-feira, 3 de abril de 2024 – Lucas 24,13-35 – Bíblia Católica

Primeira Leitura (At 3,1-10)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias, Pedro e João subiram ao Templo para a oração das três horas da tarde. Então trouxeram um homem, coxo de nascença, que costumavam colocar todos os dias na porta do Templo, chamada Formosa, a fim de que pedisse esmolas aos que entravam.

Quando viu Pedro e João entrando no Templo, o homem pediu uma esmola. Os dois olharam bem para ele e Pedro disse: “Olha para nós!” O homem fitou neles o olhar, esperando receber alguma coisa. Pedro então lhe disse: “Não tenho ouro nem prata, mas o que tenho eu te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda!”

E pegando-lhe a mão direita, Pedro o levantou. Na mesma hora, os pés e os tornozelos do homem ficaram firmes. Então ele deu um pulo, ficou de pé e começou a andar. E entrou no Templo junto com Pedro e João, andando, pulando e louvando a Deus.

O povo todo viu o homem andando e louvando a Deus. E reconheceram que era ele o mesmo que pedia esmolas, sentado na porta Formosa do Templo. E ficaram admirados e espantados com o que havia acontecido com ele.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

Evangelho (Lc 24,13-35)

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém. Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido.

Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. Os discípulos, porém, estavam como que cegos, e não o reconheceram. Então Jesus perguntou: “Que ides conversando pelo caminho?” Eles pararam, com o rosto triste, e um deles, chamado Cléofas, lhe disse: “Tu és o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes últimos dias?

Ele perguntou: “Que foi?” Os discípulos responderam: “O que aconteceu com Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras, diante de Deus e diante de todo o povo. Nossos sumos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. Nós esperávamos que ele fosse libertar Israel, mas, apesar de tudo isso, já faz três dias que todas essas coisas aconteceram! É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos deram um susto. Elas foram de madrugada ao túmulo e não encontraram o corpo dele. Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos e que estes afirmaram que Jesus está vivo. Alguns dos nossos foram ao túmulo e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito. A ele, porém, ninguém o viu”.

Então Jesus lhes disse: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar na sua glória?” E, começando por Moisés e passando pelos Profetas, explicava aos discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele.

Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez de conta que ia mais adiante. Eles, porém, insistiram com Jesus, dizendo: “Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando!” Jesus entrou para ficar com eles. Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía.

Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus. Jesus, porém, desapareceu da frente deles. Então um disse ao outro: “Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho, e nos explicava as Escrituras?” Naquela mesma hora, eles se levantaram e voltaram para Jerusalém onde encontraram os Onze reunidos com os outros. E estes confirmaram: “Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!” Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Refletindo a Palavra de Deus

Queridos irmãos e irmãs em Cristo,

Hoje, quero levar vocês em uma jornada. Uma jornada de encontros transformadores, de corações inflamados e olhos abertos. Uma jornada que começa nas estradas empoeiradas da vida cotidiana e culmina em um momento de profundo reconhecimento da presença viva de Jesus. Nesta jornada, acompanharemos dois relatos bíblicos poderosos: a Primeira Leitura dos Atos dos Apóstolos (At 3,1-10) e o Evangelho segundo Lucas (Lc 24,13-35). Essas passagens nos mostram que, mesmo quando estamos perdidos e desanimados, Jesus caminha ao nosso lado, pronto para abrir nossos olhos e acender o fogo da fé em nossos corações.

Imagine a cena descrita no Evangelho de Lucas: dois discípulos caminhando tristemente na estrada para Emaús, mergulhados na decepção e no desespero após a morte de Jesus. Eles não conseguiam entender como o Messias prometido poderia ter sido crucificado. O futuro parecia sombrio e sem esperança. Mas então, Jesus se aproxima deles e começa a caminhar ao seu lado, perguntando sobre seus problemas e ouvindo atentamente.

Quantas vezes nos sentimos como esses discípulos desanimados? Caminhamos pela estrada da vida, sobrecarregados com nossas preocupações, dores e decepções. Nosso fardo parece pesado demais para carregar, e a esperança parece ter desaparecido. Mas, assim como Jesus se aproximou dos discípulos em seu momento de desespero, Ele também se aproxima de nós. Ele caminha ao nosso lado, mesmo quando não O reconhecemos.

No Evangelho, os discípulos não reconhecem Jesus. Seus olhos estavam velados pela tristeza e pela falta de compreensão. Mas Jesus não desiste deles. Ele começa a explicar as Escrituras, revelando aos discípulos as profecias que apontavam para Sua própria morte e ressurreição. Eles escutam atentamente, mas ainda não O reconhecem plenamente.

É somente quando Jesus parte o pão durante a refeição que os olhos dos discípulos se abrem. Eles veem as marcas nas mãos de Jesus e, finalmente, O reconhecem. Nesse momento, seus corações se enchem de alegria e seus olhos se iluminam com a presença viva do Ressuscitado.

Queridos amigos, essa história nos ensina que Jesus está sempre presente em nossas vidas, mesmo quando não O reconhecemos. Ele fala conosco através das Escrituras, da oração, dos sacramentos e dos encontros com nossos irmãos e irmãs. Ele caminha ao nosso lado, mesmo quando não O vemos. Mas é através de momentos de encontro e intimidade que nossos olhos são abertos e reconhecemos Sua presença viva.

Assim como os discípulos em Emaús, também somos convidados a escutar atentamente a Palavra de Deus, a mergulhar nas Escrituras e a abrir nossos corações para a ação do Espírito Santo. Quando fazemos isso, descobrimos que Jesus está presente em cada página, em cada verso, esperando para nos revelar Sua verdade e Sua graça transformadora.

Mas a história não termina ali. O encontro dos discípulos com Jesus não é apenas para seu próprio benefício. Eles retornam imediatamente a Jerusalém para compartilhar as boas novas com os outros discípulos. Eles não podem conter a alegria de ter encontrado o Ressuscitado. Eles precisam compartilhar essa experiência com os outros.

Queridos irmãos e irmãs, assim como os discípulos, também somos chamados a compartilhar nossas experiências com Jesus. Devemos ser testemunhas vivas de Seu amor, Sua misericórdia e Sua graça. Devemos levar a boa nova do Evangelho a todos aqueles que encontramos em nossa jornada pela vida.

Mas como podemos fazer isso? Como podemos compartilhar a presença de Jesus com os outros?

Primeiro, devemos ser autênticos em nossa própria fée em nosso relacionamento com Cristo. As pessoas ao nosso redor precisam ver a diferença que Jesus faz em nossas vidas. Precisamos viver de acordo com os ensinamentos que encontramos nas Escrituras, buscando a santidade e o amor em todas as nossas ações.

Segundo, devemos estar dispostos a escutar as histórias dos outros e a compartilhar nossas próprias histórias de fé. Assim como Jesus caminhou ao lado dos discípulos em sua jornada para Emaús, também devemos caminhar ao lado dos outros em suas lutas e alegrias. Devemos ser sensíveis às necessidades das pessoas ao nosso redor e estar dispostos a oferecer uma palavra de encorajamento, um ombro para chorar ou uma mão estendida em ajuda.

Terceiro, devemos ser corajosos em compartilhar o Evangelho. Muitas vezes, temos medo de falar sobre nossa fé com os outros, preocupados com o que eles podem pensar ou como podem reagir. Mas Jesus nos chama a ser corajosos e a confiar em Sua promessa de que Ele estará conosco sempre. Devemos estar dispostos a falar sobre Jesus, a compartilhar as boas novas da salvação e a convidar os outros a conhecerem o amor de Deus.

Queridos irmãos e irmãs, a história dos discípulos em Emaús é uma história de esperança e encontro transformador. É uma história que nos lembra de que Jesus está sempre caminhando ao nosso lado, mesmo quando não O reconhecemos. É uma história que nos desafia a abrir nossos olhos e nossos corações para a presença viva de Cristo em nossas vidas. E é uma história que nos inspira a compartilhar essa presença com os outros, para que eles também possam experimentar a alegria e a esperança que só Jesus pode trazer.

Que o Espírito Santo nos guie e nos fortaleça enquanto seguimos em nossa jornada de fé. Que Ele abra nossos olhos para ver a presença de Jesus em todas as áreas de nossas vidas. E que Ele nos dê a coragem e a sabedoria para compartilhar essa presença com os outros, para que todos possam conhecer e experimentar o amor inesgotável de Deus.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Que Deus os abençoe e lhes dê paz.


Livraria Católica