Evangelho do dia – quinta-feira, 20 de junho de 2024 – Mateus 6,7-15 – Bíblia Católica

Primeira Leitura (Eclesiástico 48,1-14)

Leitura do Livro do Eclesiástico.

O profeta Elias surgiu como um fogo, e sua palavra queimava como uma tocha.

Fez vir a fome sobre eles e, no seu zelo, reduziu-os a pouca gente.

Pela palavra do Senhor fechou o céu e de lá fez cair fogo por três vezes.

Ó Elias, como te tornaste glorioso por teus prodígios! Quem poderia gloriar-se de ser semelhante a ti?

Tu, que levantaste um homem da morte e dos abismos, pela palavra do Senhor;

tu, que precipitaste reis na ruína e fizeste cair do leito homens ilustres;

tu, que ouvistes censuras no Sinai e decretos de vingança no Horeb.

Tu ungiste reis, para tirar vingança, e profetas, para te sucederem;

tu foste arrebatado num turbilhão de fogo, um carro de cavalos também de fogo,

tu, nas ameaças para os tempos futuros, foste designado para acalmar a ira do Senhor antes do furor, para reconduzir o coração do pai ao filho, e restabelecer as tribos de Jacó.

Felizes os que te viram, e os que adormeceram na tua amizade!

Nós também, com certeza, viveremos; mas, após a morte, não será tal o nosso nome.

Apenas Elias foi envolvido no turbilhão, Eliseu ficou repleto do seu espírito. Durante a vida não temeu príncipe algum, e ninguém o superou em poder.

Nada havia acima de suas forças, e, até já morto, seu corpo profetizou.

Durante a vida realizou prodígios e, mesmo na morte, suas obras foram maravilhosas.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.



Evangelho (Mateus 6,7-15)

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras. Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. Vós deveis rezar assim:

Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome;

venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus.

O pão nosso de cada dia dá-nos hoje.

Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.

E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.

De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.



Refletindo a Palavra de Deus

Meus queridos irmãos e irmãs em Cristo, reunidos hoje para escutarmos e refletirmos sobre a Palavra de Deus, somos convidados a mergulhar nas profundezas da sabedoria bíblica através das leituras do Eclesiástico e do Evangelho de Mateus. Às vezes, podemos nos sentir perdidos ou desanimados, mas a Escritura nos oferece orientação, consolo e desafio, trazendo a luz divina para nossas vidas cotidianas.

Nossa primeira leitura de hoje, tirada do livro do Eclesiástico, nos apresenta a figura impressionante do profeta Elias, um homem que foi um verdadeiro farol de fé e justiça em tempos de escuridão e idolatria. Elias, descrito como “um profeta semelhante a um fogo”, realizou feitos extraordinários, como chamar fogo do céu e ressuscitar mortos. Ele se destacou por sua coragem, fervor e intimidade com Deus.

Pensemos em Elias como uma chama ardente que ilumina o caminho em meio à noite escura. Sua vida e missão foram um testemunho do poder e da presença de Deus em tempos difíceis. Quando o povo se afastava de Deus, Elias era o chamado à conversão, à volta ao caminho da verdade e da justiça. Sua vida nos lembra que Deus nunca nos abandona, mesmo quando estamos cercados por desafios e tentações.

Na sociedade de hoje, podemos nos perguntar: onde estão os Elias modernos? Quem são aqueles que, com coragem e fé, se levantam contra as injustiças, contra a idolatria do materialismo e da indiferença? Cada um de nós é chamado a ser uma chama no mundo, refletindo a luz de Cristo em nossas ações e palavras. Precisamos nos perguntar se estamos vivendo de forma a inspirar os outros, se estamos buscando a santidade e a justiça em nossa vida cotidiana.

No Evangelho de Mateus, Jesus nos ensina como devemos orar, entregando-nos a oração que conhecemos como o Pai Nosso. Ele nos adverte contra a multiplicidade de palavras vazias e nos chama a uma oração sincera e confiante. Esta passagem é profundamente rica e repleta de significado, oferecendo-nos um modelo perfeito de como devemos nos relacionar com Deus.

Começamos a oração chamando Deus de “Pai”. Isso nos lembra que nosso relacionamento com Deus é íntimo e pessoal. Não somos apenas servos, mas filhos amados de um Pai misericordioso. Isso muda completamente a maneira como nos aproximamos de Deus. Não nos aproximamos com medo ou tremor, mas com confiança e amor, sabendo que Ele cuida de nós e deseja o nosso bem.

Quando dizemos “santificado seja o vosso nome”, estamos pedindo que o nome de Deus seja reverenciado e glorificado em toda a terra. Estamos nos comprometendo a viver de uma maneira que honra a Deus, mostrando ao mundo a santidade e a bondade do nosso Pai celestial. Este é um chamado para que nossas ações reflitam a nossa fé, para que nossa vida seja um testemunho vivo do amor de Deus.

“Venha a nós o vosso Reino” é um clamor para que a justiça, a paz e o amor de Deus se tornem realidade aqui e agora. Estamos pedindo a Deus para transformar o mundo, mas também estamos nos comprometendo a trabalhar para essa transformação. Cada um de nós tem um papel na construção do Reino de Deus, em nossas famílias, em nossas comunidades e em nosso mundo.

“Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu” nos lembra que devemos buscar a vontade de Deus em todas as coisas. Isso pode ser um desafio, especialmente quando a vontade de Deus parece estar em desacordo com nossos desejos ou planos. Mas é um chamado à submissão e confiança, sabendo que a vontade de Deus é sempre para o nosso bem, mesmo quando não entendemos.

“Pão nosso de cada dia nos dai hoje” é um pedido simples, mas profundo. Reconhecemos que dependemos de Deus para todas as nossas necessidades, físicas e espirituais. É um chamado à humildade, reconhecendo que tudo o que temos vem de Deus, e um convite à confiança, sabendo que Ele proverá para nós.

“Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido” nos desafia a viver em misericórdia e perdão. Somos chamados a perdoar os outros como Deus nos perdoa, o que pode ser uma das coisas mais difíceis que Jesus nos pede. Mas o perdão é essencial para nossa própria libertação e paz interior.

“E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal” é um pedido de proteção. Reconhecemos nossa fraqueza e a presença do mal no mundo, e pedimos a Deus que nos guie e nos proteja, que nos fortaleça contra as tentações e nos livre de todo mal.

A oração do Pai Nosso é uma rica fonte de meditação e inspiração. Cada frase nos convida a um relacionamento mais profundo com Deus e a uma vida mais comprometida com o Seu Reino.

Ao unir as lições do Eclesiástico e do Evangelho, vemos um chamado claro à transformação pessoal e comunitária. Elias nos desafia a sermos profetas em nosso tempo, a levantarmos nossa voz contra a injustiça e a vivermos com integridade e fé. A oração do Pai Nosso nos dá o modelo e a força para fazer isso, lembrando-nos de nossa identidade como filhos de Deus e nosso chamado a construir o Reino de Deus aqui na terra.

Hoje, ao refletirmos sobre essas leituras, somos desafiados a viver de maneira que honre a Deus em tudo o que fazemos. Que possamos ser chamas ardentes, como Elias, iluminando o caminho para os outros. Que possamos orar com sinceridade e confiança, permitindo que a oração do Pai Nosso transforme nossas vidas e nos guie no caminho da justiça e da paz.

Vamos agora ter um momento de silêncio. Fechemos os olhos e peçamos a Deus a graça de viver de acordo com essas verdades, de ser uma luz no mundo e de confiar plenamente em Seu amor e providência.

Senhor, nós Te agradecemos pela Tua Palavra hoje. Ajuda-nos a ser profetas em nosso tempo, a viver com fé e coragem, e a confiar em Ti em todas as coisas. Que a oração do Pai Nosso seja um guia constante em nossas vidas, nos lembrando de nossa identidade como Teus filhos e nosso chamado a construir Teu Reino. Amém.

Ao sairmos daqui hoje, levemos conosco a determinação de viver como verdadeiros seguidores de Cristo. Que a graça de Deus nos acompanhe e que possamos ser instrumentos de Sua paz e amor no mundo. Lembrem-se, somos chamados a ser luz e sal – vamos brilhar e dar sabor ao mundo com a bondade, a justiça e o amor de Deus. Amém.


Livraria Católica