129. Qual é o estado do corpo ressuscitado de Jesus?

A Ressurreição de Cristo não foi um regresso à vida terrena. O Seu corpo ressuscitado é Aquele que foi crucificado e apresenta os vestígios da Sua Paixão, mas é doravante participante da vida divina com as propriedades dum corpo glorioso. Por esta razão, Jesus ressuscitado é soberanamente livre de aparecer aos seus discípulos como Ele quer, onde Ele quer e sob aspectos diversos.


Veja este tema no Catecismo

Parágrafo 645

645.Jesus Ressuscitado estabeleceu com os seus discípulos relações directas, através do contacto físico (564) e da participação na refeição (565). Desse modo, convida-os a reconhecer que não é um espírito (566), e sobretudo a verificar que o corpo ressuscitado, com o qual se lhes apresenta, é o mesmo que foi torturado e crucificado, pois traz ainda os vestígios da paixão (567). No entanto, este corpo autêntico e real possui, ao mesmo tempo, as propriedades novas dum corpo glorioso: não está situado no espaço e no tempo, mas pode, livremente, tornar-se presente onde e quando quer (568), porque a sua humanidade já não pode ser retida sobre a terra e já pertence exclusivamente ao domínio divino do Pai (569). Também por este motivo, Jesus Ressuscitado é soberanamente livre de aparecer como quer: sob a aparência dum jardineiro (570) ou «com um aspecto diferente»(Mc16, 12) daquele que era familiar aos discípulos; e isso, precisamente, para lhes despertar a fé (571).

Parágrafo 646

646.A ressurreição de Cristo não foi um regresso à vida terrena, como no caso das ressurreições que Ele tinha realizado antes da Páscoa: a filha de Jairo, o jovem de Naim e Lázaro. Esses factos eram acontecimentos milagrosos, mas as pessoas miraculadas reencontravam, pelo poder de Jesus, uma vida terrena «normal»: em dado momento, voltariam a morrer. A ressurreição de Cristo é essencialmente diferente. No seu corpo ressuscitado, Ele passa do estado de morte a uma outra vida, para além do tempo e do espaço. O corpo de Cristo é, na ressurreição, cheio do poder do Espírito Santo; participa da vida divina no estado da sua glória, de tal modo que São Paulo pode dizer de Cristo que Ele é o «homem celeste» (572).


Acesse nossos estudos biblicos:

Qual é a importância da gratidão na vida cristã, de acordo com a primeira carta a Timóteo?

O que é a profecia das setenta semanas em Daniel 9?

A volta de Cristo: O que sabemos e o que esperamos (2 Tessalonicenses 2:1-12)?

Qual a importância da fidelidade a Deus, segundo o livro de Tobias?

O que a Bíblia diz sobre o julgamento e a justiça de Deus?

Qual é o exemplo de perseverança na espera das promessas de Deus apresentado na história de Zacarias e Isabel em Lucas 1:5-25?

Qual é o significado da metáfora da “Videira Verdadeira” em João 15:1-8?


Livraria Católica