531. Que exige e que proíbe o décimo mandamento?

Este mandamento completa o precedente e exige uma atitude interior de respeito em relação à propriedade alheia. Proíbe aavidez, acupidez desregradados bens dos outros e ainveja, que consiste na tristeza que se experimenta perante os bens alheios e o desejo imoderado de deles se apoderar.


Veja este tema no Catecismo

Parágrafo 2534

ARTIGO 10

O DÉCIMO MANDAMENTO

«Não cobiçarás [...] nada que pertença [ao teu próximo]»(Ex20, 17). «Não cobiçarás a casa [do teu próximo], nem o seu campo, nem o seu servo nem a sua serva, o seu boi, ou o seu jumento, nem nada que lhe pertença»(Dt5, 21). «Onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração»(Mt6, 21).
2534.O décimo mandamento desdobra e completa o nono, que tem por objecto a concupiscência da carne. Proíbe cobiçar o bem de outrem, raiz de onde procede o roubo, a rapina e a fraude, proibidos pelo sétimo mandamento. A «concupiscência dos olhos»(1 Jo2, 16) conduz à dolência e à injustiça, proibidas pelo quinto mandamento (267). A cobiça, bemcomo a fornicação, tem a sua origem na idolatria, proibida nos três primeiros mandamentos da Lei (268). O décimo mandamento incide sobre a intenção do coração e resume, com o nono, todos os preceitos da Lei.

Parágrafo 2535

2535.O apetite sensível leva-nos a desejar as coisas agradáveis que não possuímos. Exemplo disso é desejar comer quando se tem fome ou aquecer-se quando se tem frio. Estes desejos são bons em si mesmos; muitas vezes, porém, não respeitam os limites da razão e levam-nos a cobiçar injustamente o que não é nosso e que pertence, ou é devido, a outrem.

Parágrafo 2536

2536.O décimo mandamento condena aavidez eo desejo duma apropriação desmesurada dos bens terrenos; e proíbe acupidezdesregrada, nascida da paixão imoderada das riquezas e do seu poder. Interdita também o desejo de cometer uma injustiça pela qual se prejudicaria o próximo nos seus bens temporais:

«Quando a Lei nos diz: "Não cobiçarás", diz-nos, por outras palavras, que afastemos os nossos desejos de tudo o que não nos pertence. Porque a sede da cobiça dos bens alheios é imensa, infindável e insaciável, conforme está escrito: "O avarento nunca se fartará de dinheiro"(Sir5, 9)» (269).

Parágrafo 2537

2537.Não é violar este mandamento desejar obter coisas que pertencem ao próximo, desde que seja por meios legítimos. A catequese tradicional menciona, com realismo, «os que têm que lutar mais contra as suas cobiças criminosas» e que, portanto, precisam de ser «exortados com mais insistência a observarem este preceito»:

«São [.. .] os comerciantes que desejam a falta ou carestia das coisas, que vêem com pena não serem eles os únicos a comprar e a vender, o que lhes permitiria vender mais caro e comprar mais barato; os que desejam ver o seu semelhante na miséria, para obterem maiores lucros, quer vendendo quer comprando [...]. Os médicos, que desejam que haja doentes; os advogados, que reclamam causas e processos importantes e numerosos...» (270).

Parágrafo 2538

2538.O décimo mandamento exige que seja banidaa invejado coração humano. Quando o profeta Natan quis estimular o arrependimento do rei David, contou-lhe a história do pobre que só possuía uma ovelha, tratada como se fosse uma filha, e do rico que, apesar dos seus numerosos rebanhos, tinha inveja dele e acabou por lhe roubar a ovelha (271). A inveja pode levar aos piores crimes (272). «Foi pela inveja do demónio que a morte entrou no mundo» (Sb2, 24).

«Combatemo-nos uns aos outros e é a inveja que nos arma uns contra os outros [...]. Se todos se encarniçam assim a abalar o corpo de Cristo, onde chegaremos nós? Estamos a aniquilar o corpo de Cristo. [...] Declaramo-nos membros dum mesmo organismo e devoramo-nos como feras» (273).

Parágrafo 2539

2539.A inveja é um vício capital. Designa a tristeza que se sente perante o bem alheio e o desejo imoderado de se apropriar dele, mesmo indevidamente. Se desejar ao próximo um mal grave, é pecado mortal:

Santo Agostinho via na inveja «o pecado diabólico por excelência» (274). «Da inveja nascem o ódio, a maledicência, a calúnia, a alegria causada pelo mal do próximo e o desgosto causado pela sua prosperidade» (275).

Parágrafo 2540

2540.A inveja representa uma das formas da tristeza e, portanto, uma recusa da caridade; o baptizado lutará contra ela, opondo-lhe a benevolência. Muitas vezes, a inveja nasce do orgulho; o baptizado exercitar-se-á a viver na humildade:

«Quereríeis ver Deus glorificado por vós? Pois bem, alegrai-vos com os progressos do vosso irmão e, assim, será por vós que Deus é glorificado. Deus será louvado, dir-se-á, pelo facto de o seu servo ter sabido vencer a inveja, pondo a sua alegria nos méritos dos outros» (276).

Parágrafo 2551

2551.«Onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração» (Mt 6, 21).

Parágrafo 2552

2552.O décimo mandamento proíbe a cupidez desregrada, nascida da paixão imoderada das riquezas e seu poder.

Parágrafo 2553

2553Inveja é a tristeza que se experimenta perante o bem alheio e o desejo imoderado de se apropriar dele. É um vício capital.


Acesse nossos estudos biblicos:

O que Sabedoria 8:7 nos ensina sobre a sabedoria como fonte de virtude e honra?

O amor e a amizade: a importância dos relacionamentos na vida (Ec 4:9-12)

Como podemos fugir das aparências do mal, conforme descrito em 1 Tessalonicenses 5:22?

Qual é a importância de perseverar na fé, de acordo com 2 João 1:8?

A história de Moisés: Como Deus escolheu e preparou Moisés para liderar seu povo? (Êxodo 1-4)

Qual é a importância da gratidão e do contentamento de acordo com o livro de Eclesiastes?

Quais são as visões de Daniel sobre a estátua de ouro e as quatro bestas?


Livraria Católica